Conheça espécies de animais em que a fêmea quebra os padrões tradicionais e assume papeis originais

Hoje, 8 de março, comemora-se o Dia Internacional da Mulher, que chega para reconhecer o valor da luta pela igualdade de gênero. Há quem diga que coisa de mulher é cuidar dos filhos, alimentar ou tomar conta da casa. A independência feminina caminha a passos curtos e ainda falta muito para que a sociedade reconheça a força e o direito de ir e vir das mães, irmãs, esposas, namoradas ou amigas.

Você sabia que até mesmo dentro do reino animal existem espécies que contradizem o estereótipo de “bela, recatada e do lar”? Muitos bichos quebram o paradigma e enfrentam a troca de papéis. No caso do Jaçanã, por exemplo, cabe ao macho chocar os ovos e cuidar dos filhotes e à fêmea de perpetuar a espécie.

Os macacos bonobo são outro modelo que desobedece a ordem tradicional e costumam viver em grupos liderados por fêmeas. Isso também acontece no caso dos suricatos, que além de serem coordenados pelas meninas do bando, são elas que comandam seus companheiros em busca de novos refúgios e nos conflitos de territórios com outros grupos da mesma espécie.

O 8 de março representa a luta de todas as mulheres por igualdade de direitos na política, no emprego, na segurança e, principalmente, no direito de ir e vir quando e como achar melhor. Os exemplos citados acima são apenas algumas amostras de casos que evidenciam que lugar de mulher é onde ela quiser, inclusive dentro da natureza.