Sistema de dessalinização purifica a água coletada por meio de poços e a disponibiliza em espaços como um tanque ou um chafariz.

As obras do Programa Água Doce (PAD) na Bahia serão iniciadas esta semana. Técnicos da equipe nacional do Programa estão em Paulo Afonso (BA) para capacitar servidores do núcleo estadual, consultores e os responsáveis, das empresas contratadas, pela execução das atividades. “É muito importante que todos estejam bem afinados com a metodologia do Água Doce”, destacou o diretor de Revitalização de Bacias do Ministério do Meio Ambiente, Renato Saraiva.

O convênio da Bahia é o maior no âmbito do programa – R$ 61 milhões. O Estado receberá 385 sistemas de dessalinização que beneficiarão cerca de 150 mil pessoas. Na quinta-feira, 5 de março, terá início a obra do projeto piloto no município de Jeremoabo. Na primeira fase do programa, foram diagnosticadas 1.174 comunidades em 41 municípios do semiárido baiano.

Finalidades

Coordenado pelo MMA, o Programa Água Doce faz parte do conjunto de ações do Plano Brasil sem Miséria. O objetivo é estabelecer uma política pública permanente de acesso a água de qualidade para o consumo humano por meio do aproveitamento sustentável de águas subterrâneas. De modo simplificado, o sistema de dessalinização purifica a água coletada por meio de poços e a disponibiliza em espaços como um tanque ou um chafariz. A ação leva em conta cuidados ambientais, técnicos e sociais.

O programa prioriza as regiões em situação mais críticas. Lugares com os menores índices de Desenvolvimento Humano (IDH), altos percentuais de mortalidade infantil, baixos índices pluviométricos e com dificuldades de acesso aos recursos hídricos serão os primeiros a serem contemplados pelos planos. Assim como o Índice de Condição de Acesso à Água do Semiárido (ICAA), desenvolvido a partir do cruzamento dos mesmos indicadores.

FONTE: Eco Desenvolvimento

Foto: Paulo de Araújo/MMA

Foto: Paulo de Araújo/MMA