Segundo pesquisas e estudos, público tende a consumir produtos ou serviços que presam objetivos globais

A demanda pelo consumo consciente bate à porta do brasileiro e torna o “Marketing Verde” pauta das exigências do mercado. A tendência traduz o comportamento do comprador, que se sente responsável não só pelo que está adquirindo, mas também pelos impactos de proporções mundiais.

Reconhecido como Marketing Sustentável, a estratégia coloca em cheque ações corporativas que transformam atitudes de investimento indireto em retorno altamente lucrativo. Em outras palavras, além de contribuir para o meio ambiente, estas práticas replicam em ganho, já que o usuário dá mais valor aos produtos que venham de empresas que se preocupam com o meio ambiente.

Neste quesito, a tática é enfatizar esta responsabilidade e torna-la evidente ao comprador. Assim, a imagem ecologicamente correta estaria associada tanto aos princípios da instituição, quanto aos benefícios e cuidados que o próprio consumidor teria ao obter a marca.

Segundo uma pesquisa recente divulgada pela ONU, 95% dos entrevistados inclinam-se a comprar produtos ligados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Nesta lista, o Brasil aparece no topo do ranking, seguido pela Índia, Argentina, China e África do Sul.

Já a pesquisa realizada pela Mundo do Marketing, revelou que 50% dos brasileiros preferem marcas ligadas à sustentabilidade e à preservação do meio ambiente. Isso se deve ao fato de estarem “sentindo na pele” os reflexos que mudanças climáticas causam no dia a dia. Outro apontamento revelado é que empresas que não tiverem políticas efetivas que visam minimizar impactos ambientais, tendem a ser rejeitadas pelos consumidores.

Um novo estudo realizado neste ano pela Unilever, confirma os dados citados acima e prevê tendência em marcas que transparecem suas ligações sustentáveis, em embalagens e campanhas.